Esta não sou eu.

          
Tenho berrado mais do que deveria e do que queria. 

Fico cansada de me ouvir, e eles também devem ficar. 
É o pior é que não resolve nada e não é a mãe que quero ser. A mãe que berra para ter as coisas feitas, a mãe que esganiça a voz para ter autoridade. 
Não sou eu. 

Eu sou alegre e gosto de me rir. 
Gosto de brincar e de saltar com eles, pôr a música aos berros e dançar com um ao colo e outro às cavalitas. Gosto de ter tempo para ter tempo, paciência e vontade. 

Eles não cooperam e (ou??) eu não os faço cooperar. As noites mal e pouco dormidas começam a dar efeito, a televisão aos berros, peço dezenas de vezes algo que não chegam a fazer, sempre pegados por tudo e por nada, um sempre a procurar alternativas criativas para fazer asneiras ou partir qualquer parte do seu corpo. 
E choram por tudo, e choram por nada, choram como se fosse o fim do mundo. E eu, no meio deste vendaval aos berros. Bonito de ser ver. 

Eles estão a ser crianças, e eu? Bem, terei que (me) rever. 
Há aqui obviamente algo que está a falhar. 

Comentários

  1. Há dias que me sinto assim. Há dias que estou tão cansada e ele tão cansado que não temos paciência. Depois grita e choro e eu grito e fico triste.

    ResponderEliminar
  2. Eles estão a ser crianças e a nossa sorte é não termos ninguém a filmar porque provavelmente descobríamos que sabemos fazer birras ainda maiores que as deles. Como eu a entendo! Ainda ontem à noite a minha paciência se esgotou e eu sei que que me esforço todos os dias para ser uma mãe calma, paciente e assertiva mas nem sempre é fácil. Há dias em que faz "Pum!"... O que é positivo nisto tudo,acho eu, é termos consciência que não é isto que queremos para nós e para a nossa família e isso permite-nos corrigir e quem sabe melhorar o nosso comportamento. Afinal nós somos um exemplo para eles e queremos/batalhamos diariamente por sermos melhores pessoas... Somos humanos, não somos perfeitos... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Odete, sim. Somos humanos, e não perfeitos, é verdade! Não nos podemos esquecer. Beijinhos

      Eliminar
  3. Tão normal este sentimento. Acho que, como mães, precisamos parar e refletir de vez em quando. Não há ninguém que nunca tenha dado um grito. Mas, é muito bom ter essa consciência! Força! ;)
    Aproveito para dizer que gostei imenso do seu blog, descobri-o apenas hoje. Vou seguir.
    Passe no meu, e se gostar, fique por lá também ;)
    Beijinho, Lu
    http://blogdamamalu.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Estes sentimentos são comuns a muitas mães (e pais também). Quando damos o nosso melhor e muito amor também, estes dias não vão passar de dias menos bons.....e só isso!
    ;)
    Bejinhos

    ResponderEliminar
  5. Penso que todas as mães se vêm ao espelho neste Post. Com dois pequenos cá em casa, um de nove e outro de três por vezes a voz que reina cá em casa é a minha para me fazer ouvir e para os obrigar a fazer algo e eles adoram testar a paciência. Faz parte, tudo se resolve. E eles próprios sabem que são eles que nos causam o berro. Ahah bj

    ResponderEliminar
  6. é tão tão tão injusto...
    e acho que se resolvia tão bem com uma palavra chave: tempo!! Tempo para brincar, rir, cantar... as birras iam ser tão menores!! :(

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais lidas