​Sinais de alarme em desenvolvimento





O desenvolvimento é um complexo processo que ocorre entre o nascimento e a idade adulta e que tem como finalidade a aquisição de autonomia. Que factores de risco, biológicos e ambientais, podem interferir negativamente com o normal desenvolvimento infantil?

Sinais de alarme em desenvolvimento
O desenvolvimento é um complexo processo neuromaturacional, que ocorre entre o nascimento e a idade adulta e que tem como finalidade a aquisição de autonomia. A sua avaliação sistemática no âmbito da consulta de vigilância de saúde infantil é fundamental. É também importante ter em consideração a existência de diferentes factores de risco, biológicos e ambientais, que podem interferir negativamente com o normal desenvolvimento infantil. Um diagnóstico atempado e uma intervenção precoce adequada, são fundamentais para maximizar o potencial de desenvolvimento duma criança com problemas.
Classicamente descrevem-se três tipos de alterações de desenvolvimento: o atraso, a dissociação e o desvio. São também especialmente preocupantes a paragem e a regressão do desenvolvimento.
O presente artigo pretende alertar para os vários sinais de alarme em cada área do desenvolvimento e salientar algumas variantes do normal.
“Desenvolvimento” refere-se ao processo de evolução biológica e psicológica que ocorre entre o nascimento e a idade adulta e que leva a que o indivíduo progrida duma situação de dependência total para uma situação de autonomia (1). O desenvolvimento adequado pressupõe a interacção entre factores genéticos e factores ambientais. É, por isso, um processo complexo e dinâmico, assente na maturação neurobiológica e em correlação contínua com aspectos psicológicos e sociais (1-5).
As aquisições nas várias áreas do desenvolvimento são relativamente uniformes, embora possam normalmente existir áreas mais fortes e áreas mais fracas. Assimetrias significativas nas várias áreas podem traduzir patologia, constituindo por isso, um sinal de alarme (1,4).
As várias aquisições seguem um encadeamento lógico, por exemplo, antes do bebé se sentar vai ter de controlar a cabeça. Da mesma forma, uma patologia do desenvolvimento vai ter diferentes expressões ao longo do tempo, dependendo das competências em aquisição e dos requisitos ambientais em relação à criança (1-5).
A patologia do desenvolvimento tem uma elevada prevalência e o seu diagnóstico adequado é fundamental para o bem-estar da criança e da sua família. Permite também a intervenção precoce e a implementação de estratégias que realcem o potencial máximo de cada criança (5).
Faz parte integrante da vigilância da saúde infantil a pesquisa de sinais de alarme em desenvolvimento em cada idade chave, de modo a que qualquer alteração significativa identificada seja atempadamente avaliada e, se for o caso, feita a referenciação para uma consulta especializada.
Esta vigilância deve ser contínua, passando pela observação directa da criança, pelo diálogo com os pais e pela aplicação de testes de rastreio simples. As preocupações dos pais deverão ser sempre valorizadas (4,5). Muito frequentemente, são os prestadores de cuidados quem primeiro se apercebe de alguma alteração do desenvolvimento, que pode ser difícil de detectar no tempo limitado de uma consulta. Estas informações são uma ajuda para que o diagnóstico de alterações do desenvolvimento se faça o mais cedo possível. A informação dada pelas educadoras também é particularmente relevante para qualquer suspeita de alteração do desenvolvimento (6).
A vigilância do desenvolvimento psicomotor não deve ser separada das restantes vertentes do crescimento; são duas faces da mesma realidade não passíveis de serem avaliadas correctamente se não em conjunto (7,8).

Consulte o artigo original aqui.




fonte: texto  integralmente retirado do site Mãe-me-Quer
foto: pinterest
Ver mais posts sobre educação e desenvolvimento dos bebés e das crianças, ver aqui

Comentários

Mais lidas