O fascínio pelo NÃO | como ultrapassar




O “não” já tem sido tema cá de casa, pois o Tomás começou a aplica-lo tão bem que até diria que o tenha levado à exaustão. É não para tudo, para comer, para comer, para vir aqui ou ali, para fazer isto ou aquilo. Sempre um não! E até, só quando já o chamo, “Tomás”, vem logo um não redondo!

É só um problema de início, porque depois ele lá vem, ou faz, ou diz o que nós dizemos. Mas aquela altura inicial, do chamar ou do dizer qualquer coisa, vem logo um NÃO rápido e decisivo.

Mas então porque é que há um fascínio grande pelo NÃO?

Os bebés ficam fascinados pelo NÃO porque provavelmente acabou de descobrir que tem vontades e desejos e quer exercitar isso, explica Susanne Denham, professora da Universidade George Mason (EUA) e autora do livro “Emotional Development in Young Children”.

Essa “fase do não” muitas vezes chega sem aviso, deixando os pais perplexos, e pode desaparecer tão de repente como apareceu.
no2
Como lidar com o NÃO?

Ofereça opções
Chega a noite e dizemos: “Vamos pôr o pijama?”.
A resposta inevitável é: “Não!”.
Dar opções é a melhor maneira de evitar estas situações.

Deixar seu filho escolher entre duas possibilidades é o suficiente nesta fase, quando ele ainda é pequeno. “Queres pôr o pijama branco ou o vermelho?” “Quer sumo ou leite?” “Hora de escolher! Queres guardar os carrinhos ou os comboios?”.

Esta técnica pode ser usada para tudo, desde o que vestir até na hora de resolver brigas:
“Queres brincar com o mano e sem brigas ou quer brincar sozinho?”.

 “A aplicação dessa estratégia poderá evitar grandes aborrecimentos”, garante o pediatra Paulo Sérgio de Barros Ferreira, do Conselho Médico do BabyCenter.

Contar até dez também ajuda crianças indecisas de vez em quando: “Vou contar até dez e escolhes, ou então eu escolho para ti”. O seu filho provavelmente vai tomar uma decisão antes mesmo de sair do “um…” – mas use esta tática com economia, como último recurso, pois ela perde a força se for exagerada.

Lembre também que sabe mais que seu filho e que praticamente tudo pode ser transformado em opção. Por exemplo,  pode perguntar: “Queres ir embora do parque agora ou preferes brincar mais dois minutos e depois ir embora?” De qualquer maneira, ele vai ter de ir embora.


Ensine outras respostas
Muitas vezes os pequeninos insistem no “não” porque não conhecem outras palavras. Nesse caso, ajude o seu filho a ter mais vocabulário. Pode fazer isso por meio de brincadeiras: “Qual é o contrário de não?”. “O que vem entre o não e o sim?” (talvez, pode ser, ou mais ou menos…) “Qual é uma maneira mais simpática de dizer não?” (“não, obrigado”).

Pode fazer com que o “não” seja menos automático preparando o “terreno” com uma pergunta “infantil”: “O que um cachorrinho diria se perguntasse: ‘Cachorrinho, quer um osso grande?’”.
Quando o seu filho responder “Sim!”, pode fazer a pergunta a que queria chegar: “E o que dirias se eu te perguntasse: ‘Queres um hambúrguer?’” Com um pouco de sorte, o seu filho vai acha tudo engraçado e vai se esquecer de dizer o fatídico “não”.

Uma criança pode estar com fixação pelo “não” em parte porque está sempre a ouvir essa palavra dita constantemente pelos adultos, será então uma ao seu filho. Use palavras alternativas sempre que possível. Uma tática é usar frases mais específicas para a situação, como: “Nunca se bate no cão”, ou “fala mais baixo, por favor”, “Tira a mão daí”, “Vem brincar para aqui”.

Seja firme quando necessário
Haverá momentos em que, por mais que se esforce, será inevitável zangar-se com o seu filho. Se ele parar no meio da rua e se recusar a andar, por exemplo, vai ter de tirá-lo dali, e rápido, não só por questão de segurança, mas porque, mesmo tendo vontade própria, a criança não pode exercê-la sempre e em todo lugar, pois isso pode causar muita confusão.

Assim, não há problema em dizer ao seu filho, de vez em quando, que aquele não é o momento em que ele pode fazer escolhas. “Não é hora de escolheres. Sei que não gostas disso e sinto muito, mas tem de ser assim”. E ainda pode explicar: “Porque eu sou a mamã e tenho que tomar conta de ti. E ponto final”.


Fonte: Baby Center Brasil
           Just Real Moms
fotos: pinterest e retiradas do artigo

Ver mais posts sobre educação e desenvolvimento dos bebés e das crianças, ver aqui

Comentários

Mais lidas