Truques para largar a chupeta


A chupeta, ou chucha, ou pepé, ou como cá em casa, a pepa, tornou-se já numa grande amiga dos pais e dos bebés. Funciona quase como um calmante natural, onde através da sucção induz um efeito repousante ao bebé e tranquiliza os pais.

Muitos bebés e crianças pequenas tornam-se mesmo agarradas á chupeta, quase como se ficassem viciadas neste pequeno objeto de silicone que poderá trazer consequências para a boca e dentes dos mais pequeninos.

O problema surge quando temos que pensar em deixar a chupeta.
Por aqui andamos a pensar na largada da chupeta ( e das fraldas) do Tomás. Mas vai ser difícil, pois apesar de ele não andar de chupeta durante o dia, é o seu objeto de conforto para quando está com sono ou zangado.

Com o João, tirámos a chupeta a seguir às fraldas pois achei que tudo ao mesmo tempo era muita “novidade” e que lhe causaria alguma insegurança. Foi por volta dos 2 anos e meio quase três, e assim começou o colégio já sem fraldas e chupetas.

A nossa estratégia foi simples, aliás foi “roubada” á adotada por uma prima, e que mostrou ter ótimos resultados. Começou com restringir o uso exclusivo da chupeta para quando dormia. Mal acordava, pedíamos para ser ele a deixar na pepa na caminha, pois não iria precisar dela.

No Natal e posteriormente no seu aniversário o João recebeu muitos presentes, mais do que ele teria tempo para poder brincar. E sem ele notar guardamos metade (e ainda hoje fazemos isso) para aquelas alturas especiais – 1ª sesta sem chupeta, 1ª noite sem chupeta.

Assim, funcionava como um estímulo, dormia sem a chupeta, e recebia um presente, sempre elogios rasgados ao facto de ele já ser um menino crescido, e que não precisava da pepa.

Claro que não andamos nisto de dar presentes para sempre, mas o tempo suficiente para ele desabituar-se e sentir-se confortável sem ela. Uma outra coisa que arranjamos, ou melhor ele próprio arranjou, foi um amigo substituo, um cão peluche, que chamamos de Cuca (conforme o original vivo da casa da avó).

Ainda hoje o João gosta de dormir com os amigos, que vão variando conforme a sua disposição, vários cães, alguns dinossauros, um elefante, comboios e carros.

E o que notei após o adeus á amiga pepa?
Ele começou a pôr os dedos á boca quando chorava, e demorava mais tempo a acalmar. Apesar de no início ter sido mais difícil, uma vez que retirada a chupeta, tal como as fraldas, não voltamos atrás.

Especialistas dizem: 
Quando a criança começa a ficar acordada a maior parte do dia, deve restringir-se o uso da chupeta a situações de cansaço e sono. Por volta dos dois anos e meio de idade, três anos é necessário iniciar a retirada da chupeta. Algumas crianças têm necessidade de um elemento de transição, sugere-se um brinquedo macio e aconchegante que ela tenha afeto e que lhe faça companhia durante o sono, além de muito diálogo e explicações sobre o porquê da retirada da chupeta e/ou biberão

À medida que a criança cresce, a necessidade de chuchar vai desaparecendo sozinha e a criança procurar alternativas para se confortar: um peluche, a mãe, o pai… É um processo gradual e recomenda-se que não se obrigue a criança a deixar a chucha de forma drástica, muito menos antes dos dois anos de idade.

7 Dicas para deixar a chucha sem traumas 

1. Não fique obcecado
Os pais devem estar conscientes de que os seus incentivos são muito importantes: se a criança sente que há uma preocupação familiar para que deixe a chucha, pode mostrar uma resistência maior.

2. Deixar a chucha gradualmente
Comece, por exemplo, a dar-lhe a chucha somente à noite para dormir, em momentos de crise, ou aproveitar uma quebra na rotina normal como um fim-de-semana em casa dos avós ou um período de férias... Então, explique-lhe que uma vez que não irá dormir em casa, que é uma mudança importante, não irá usar a chucha, que também é uma grande mudança.

3. Não são necessárias medidas drásticas
Tirar a chucha de repente, mergulhá-la em substâncias amargas, ameaçar ou castigar não só não funcionam como são contraproducentes. Pode criar um trauma à criança e, nesse momento, necessitará da sua chucha (o seu conforto, a sua amiga) muito mais do que antes. 

4. Ponha-se de acordo com a criança
Tem de conseguir obter a cooperação da criança. Sugerira-lhe deixar a chucha num determinado local e peça-lhe que apenas a solicite quando precisar mesmo dela. Dê-lha somente nesses casos. Também poderão pactuar em que situações pode usar a chucha e em que situações não pode.

5. Negociar
Pode tentar negociar com a criança uma possível data para deixar a chucha: o seu aniversário, nas próximas férias, na próxima semana... Ou trocá-la por um presente que a faça feliz. Se a criança deixar a chucha debaixo da almofada, à noite, no dia seguinte encontrará um pequeno presente trazido pela Fada das Chuchas.

6. Não se impaciente
Deve lembrar-se deque as crianças não são pequenos adultos, mas sim pessoas que estão a desenvolver a sua vida a todos os níveis, pelo que é necessário prestar-lhes atenção e descer ao nível delas, isto é, procurar entender a criança e não o contrário.

7. Louvor e amor
Independentemente do método que usar, tem de recompensar a criança com beijos, abraços e mimos pelos seus pequenos ou grandes feitos. Assim, à medida que os dias passam, e cada vez menos use a chucha, chegará o momento em que só a irá querer à noite e, algum tempo depois, a deixará de vez.

Truques e estratégias para a chupeta ir embora de vez

  • Vá diminuindo aos poucos os períodos em que permite o uso da chupeta.
  • Restrinja a chupeta a momentos críticos do dia, como a hora de dormir ou quando seu filho está doente, se sentindo mal. Seja firme.
  • Se for premiar a criança por não usar a chupeta, prefira brincadeiras, passeios, privilégios, adesivos ou presentinhos simples -- não dê doces a ela no lugar da chupeta.
  • Reforce a ideia de que crianças mais velhas não usam chupeta -- elas adoram se sentir mais crescidas.
  • Incentive a criança a dar todas as chupetas para alguém -- nem que seja o Papai Noel ou o coelhinho da Páscoa. E, depois que ela der, faça de tudo para não voltar atrás. Se não houver nenhuma data apropriada próxima, você pode inventar a "fada da chupeta", que deixa um presentinho em troca.
  • Converse com outros pais para saber que estratégias eles usaram. Há quem faça, por exemplo, um furinho na chupeta, prejudicando a sucção, e diga ao filho que a chupeta "quebrou".
  • Identifique os sinais de que seu filho está pronto para largar a chupeta e aproveite o momento. Durante um resfriado, é comum que a criança rejeite a chupeta, pois precisa respirar pela boca por causa do nariz entupido. Se isso acontecer, tire as chupetas de vista e espere. Quando seu filho pedir a chupeta, não dê imediatamente. Pode ser que ele largue o hábito naturalmente.
  • Invista na rotina da hora de dormir: anuncie uma mudança (um bichinho novo, a mudança do berço para a cama, um novo hábito, de ouvir música ou contar histórias de um livro, por exemplo), e explique que na nova rotina -- de criança grande -- não há espaço para a chupeta. O entusiasmo com a novidade pode ajudar. 





foto: pinterest

facebook | instagram | google+|

Comentários

  1. Estou com este tema entre mãos! :) A fralda já foi definitivamente, embora de vez em quando haja uns deslizes (querer brincar e esquecer da casa de banho!), e queria iniciar o processo da chucha... mas é tão agarrada!!! Sempre que fica cansada pede a chucha e a fralda (que é o óó dela)... o "pior" é que daqui a pouco mais de 3 meses vem uma mana, que não sei se vai ajudar muito nesta transição!!
    A dica dos presentes é boa, mas não queria muito esperar pelo Natal ;)...
    bem, vamos sem pressa... até aos 3 ainda temos tempo!;)
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola Diana, por aqui tambem foi mais ao menos assim com a chupeta. em abril largou a chupeta ( na altura do aniversario), depois nasceu o irmao e ainda o apanhavamos a de vez em quando tentar ficar com a do irmao, e depois em setembro comecou o colegio pela primeira vez. foram muitas coisas novas relativamente ao mesmo tempo e nós achavamos que isso iria o afectar muito. mas correu relativamente bem, e embora ele ás escondidas" ia buscar a do mano, sabia que era um menino grande e que nao precisava de chupeta.
      os presentes ajudaram muito, comecamos por uma sesta sem chupeta um presente, depois uma noite um presente, depois dois dias, 4 dias, uma semana.
      boa sorte!! beijinhos

      Eliminar
    2. Pois é isso, o "serem crescidos" deve ajudar sempre! :) vamos ver se até ao Natal a coisa fica!! :)
      Obrigada!! beijinhos!!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mais lidas