Eles e a chupeta | Consequências



Muitas crianças se acalmam quando chupam a chupeta e chegam a usá-la até ter 5 ou 6 anos. Às vezes a chupeta também ajuda a criança a aliviar o estresse ou a se adaptar a situações novas e desafiadoras, como começar a ir à creche ou escolinha, ou fazer uma viagem longa de carro. 

Há boas razões, porém, para ir convencendo seu filho de que é bom abandonar o hábito. Se ele tiver tem tendência a infecções no ouvido, por exemplo, largar a chupeta pode ser uma boa ideia. Um estudo mostrou que crianças que não usavam chupeta tinham 33% menos incidência desse tipo de infeção no ouvido médio.

A chupeta e a fala:
A chupeta também não ajuda crianças que parecem estar desenvolvendo problemas na hora de falar. O ato de sugar ou chupar mantém a boca da criança numa posição pouco natural, dificultando o desenvolvimento dos músculos da língua e dos lábios, explica a especialista norte-americana Patricia Hamaguchi, autora de um livro sobre a fala ("Childhood, speech, language, and listening problems: What every parent should know").

Mesmo que não dê para perceber algum problema, seu filho está aprendendo a falar, e fazer isso com uma chupeta na boca pode atrapalhar o processo, alterando o modo como os sons são pronunciados e forçando a língua a descansar numa posição pouco natural.
 Em alguns casos, o uso frequente da chupeta faz com que a língua se projete para a frente, o que pode causar problemas nos dentes ou de ceceio (às vezes confundido com a língua presa: a língua entra no meio dos dentes na hora de falar sons como "s" e "z").

 Por esses motivos, é recomendado limitar o tempo de chupeta da criança ao mínimo possível. Procure usar as chupetas pequenas e macias, como as de tamanho para recém-nascidos. Quando ela tiver por volta de 1 ano e meio, é melhor pensar em fazer a criança parar de vez. 


Chupetas afetam os dentes e a boca da criança?
Crianças com o hábito de chupar constantemente os dedos ou a chupeta podem ter problemas com o crescimento dos dentes frontais superiores. Mas dentistas dizem que, na maioria das crianças, a chupeta não provoca nenhum problema até que surjam os dentes permanentes -- por volta dos 4 a 6 anos de idade.
O hábito de sucção pode causar alterações morfológicas na movimentação de língua e musculatura perioral, tornando-as flácidas, o que dificulta a mastigação e a deglutição. As alterações também poderão ocorrer no palato duro, levando ao desenvolvimento de uma respiração bucal, que pode ser responsável por alteração de postura e sono agitado com ronco, deixando a criança cansada, sem vontade de brincar e desatenta, contribuindo assim para dificuldades escolares.

Em relação aos dentes, o hábito de chupar chupeta também pode causar a mordida aberta anterior e mordida cruzada posterior. A criança fica com a face desarmônica e a oclusão incorreta o que contribui para dificuldades na fala e deglutição.

A consequência mais evidente do uso prolongado da chupeta ou biberão é a alteração da configuração da arcada dentária. Esta alteração manifesta-se com o aparecimento de um espaço entre os dentes superiores e inferiores quando estes se encontram cerrados. Este espaço vai permitir que a língua escape aquando da produção de determinados sons. 
Estamos, então, perante um sigmatismo, comummente designado de “sopinha de massas”.

A respiração é outra função que também se altera. 

O uso da chupeta faz com que a criança respire pela boca. A respiração oral ocasiona alteração de postura, sono agitado, com ronco, deixando a criança cansada, sem vontade de brincar, desatenta, contribuindo assim para dificuldades escolares. 

Outra das consequências do uso prolongado de biberão e chupeta é a deglutição atípica (alteração do padrão normal da deglutição). Até os quatro anos esta alteração da deglutição é considerada normal, mas se o tratamento preventivo não for feito, a criança terá de consultar vários especialistas como o terapeuta da fala, dentista e outros, se necessário, para corrigir a postura de língua ao falar, ao engolir e no repousar dentro da cavidade oral.

  


foto: pinterest

facebook | instagram | google+|

Comentários

Mais lidas