Workshop Iglo | Dê mais Vitaminas à sua família

Desde pequena que me lembro do Capitão Iglo e dos seus anúncios em alto mar, com duas crianças num barco e uns douradinhos com óptimo aspecto. Via os anúncios, tinha inveja daquelas crianças ( era sempre um menino e uma menina), pois estavam no barco giríssimo, e quase que juro que podia sentir o sabor dos douradinhos. (sou do tempo dos douradinho de peixe, os de frango já eram para mais tarde).
Agora que o João almoça na escola, volta e meia pede douradinhos, coisa que confesso que nunca tinha em casa. Fui ao supermercado, e vi muitas marcas diferentes. Comprei os da Iglo, pois era os que comia quando era criança, pois tinha na mesma o Capitão Iglo, e fez-me recuar no tempo. era os que a minha Mãe me dava e eu agora a dar aos meus filhos
Claro que quando recebi este convite, disse logo que sim!!!

A Iglo fez um workshop no sábado passado (2\11\13), no Vintage Lisboa Hotel, sobre a importância dos vegetais para as refeições em família. Fez-me o convite, e eu claro que aceitei. Estavam lá mais outras bloggers, cujas blogs sigo com alguma assiduidade, e foi sem dúvida umas horas muito bem passadas.
Ora, para quem já segue o blog sabe que tenho preocupação de dar uma alimentação rica aos meus filhos e marido, tento variar de pratos e tento que comam muitos legumes e vegetais. Mas há certas questões que sinceramente não tinha pensado, ou que francamente não sabia. E foi por isso que foi tão importante a presença da Presidente da Associação Portuguesa de Dietistas (APD), a Dra. Zélia Santos, que ajudou a desmitificar algumas coisas que já temos preconcebidas na nossa cabeça ( com a questão dos  congelados entre outras) e que falou de outras questões (pertinentes, não haja duvida), mas que eu desconhecia.
Eu não sabia que:
  - A sopa deve ser arrefecida de imediato (em banho-maria ou com gelo), e depois colocada no frigorífico ou congelador. Aqui, confesso que deixava a sopa a arrefecer e depois é que a colocava no frio). Ao arrefecer lentamente, deixa de ter as propriedades “boas” que deve ter.
  - Deve usar-se cerca de 1 colher de sopa de azeite para 1,5 litro de sopa e pôr o azeite só depois de desligar o disco do fogão (para não se tornar uma gordura saturada).
  - Fritos em casa não faz mal, desde que seja uma vez por semana (admito que é raro, raríssimo mesmo fazer batatas fritas em casa, mas é só pelo cheiro que depois fica).
  - O óleo dos fritos caseiros pode ser usado ate 5 vezes posteriores. Depois é necessário mudar de óleo.
  - O melhor óleo para fritar é o óleo de amendoim (também não sabia).
  - Os legumes muito verdes são (geralmente) os mais ricos em cálcio.
  - Os vegetais ricos em acido fólico (óptimo para as gravidas ou quem quer engravidar) são os brócolos, o feijão-verde, os espinafres, e as couves de Bruxelas
  - Só se deve introduzir leguminosas a partir de 1 ano de idade nos bebés. E devem ser dadas entre 1 a 3 vezes por semana. 
  - A questão dos congelados:
Aqui, admito a minha ignorância, e as minhas ideias já pre concebidas.
Eu tinha na cabeça que era melhor comprar peixe fresco ( e comprava quase todos os dias) e ou usava nesse dia para a refeição, ou então congelava para usar mais tarde. Assim, tinha peixe fresco so que congelado por mim. O mesmo passava-se com os legumes.
Segundo a APD, é preferível comprar peixe congelado e os legumes já congelados por duas razõess:
1.      Temos a certeza que o peixe foi congelado á temperatura certa, e mal foi pescado (ou colhido se for os vegetais). Assim temos a certeza que foi congelado de imediato, preservando todas as suas propriedades nutritivas do alimento.
2.      O mesmo já não acontece com o peixe e legumes frescos. Pois não controlámos quanto tempo teve entre o fornecedor e o mercado, supermercado etc, perdendo assim as suas boas propriedades. Ora podemos estar a comprar peixe fresco, mas que foi pescado no dia anterior. 

 Sabiam que os dois primeiros anos de vida do bebé são os considerados pilares da sua educação alimentar?
E que a partir dos 4 anos eles começam a ser mais resistentes, e temos mais dificuldade em introduzir novos sabores e alimentos (já aqui falado, exemplo cá de casa)? E é nesta fase que não podemos deixar que não experimentem um pouco de tudo e comerem de forma.

Quando as crianças não querem comer, o que fazer?
- Podemos sempre tentar que a refeição seja cozinhada com a criança, assim ela pode achar mais piada e experimentar.

 - Dar o mesmo alimento com outra receita, ou com outro aspecto.
- Envolver a criança nas compras do supermercado.
- Não insistir no mesmo dia
- Decorar o prato ( ver aqui).


O Almoço foi óptimo, teve a nossa ajuda na sua preparação, e ficou mesmo uma delícia! Podem ver as receitas aqui.
Gostei imenso do “truque” da refeição de criança, em misturar o arroz com o esparregado. E não é que ficou bom!!!  E a sobremesa ficou optima!!!!!!! 


           Sofia ( entre biberons e batons), Olga ( o rei vai nu), eu 
            Catarina ( dias de uma princesa), Ana ( ma petite princesse), Sofia (4d), Sara (definitivamente são dois) 
e o resultado (delicioso) final...

Comentários

Mais lidas